Sobre a atuação dos Florais de Bach

Por Ricardo Orozco © 2017
www.ricardoorozco.com

Traduzido por Antonio César Lettieri Ferreira – Ler Artigo Original

ricardoorozco-2014-210
Ricardo Orozco

É muito difícil encontrar um padrão homogêneo para explicar a maneira como os Florais de Bach atuam.

Para a maioria dos usuários e terapeutas é suficiente a forma como atuam. Mas, no entanto, muitas vezes ouvi a seguinte pergunta: é necessário estar ciente da informação que as flores catalisam para que elas atuem? Ou talvez para que o efeito seja o máximo?

Na minha opinião, existem duas formas principais de atuação, e isso não significa que não haja outros.

Um, talvez o mais importante e evolutivo, passa pela mente, através da consciência, na linha mais pura do que foi enunciado pelo Dr. Bach. Podemos aqui apontar uma direção de “fora para dentro”. Algo como nos ver a partir de uma metaposição, de fora, como outros nos vêem. Nós nos relacionamos dessa maneira com a repercussão que nossas ações têm sobre o meio ambiente e a influência que os eventos exercem sobre nossos pensamentos e sentimentos.

Há outra maneira que é um pouco “mais animal” ou, de qualquer forma, não parece passar pela mente, pelo menos no início. Tal é o caso, por exemplo, de um animal que, após tomar os Florais, muda para um comportamento mais saudável e equilibrado. Se aplicarmos este caminho não-mental, de uma certa maneira de “dentro para fora”, para uma pessoa em tratamento com um padrão de Chicory, podemos ver que, de repente, ele não se irrita quando não recebe convite para um evento que pensou ser convidado. Além disso, aproveita o tempo de outra maneira positiva sem se sentir traído. Neste caso, não houve processamento cognitivo (ou mental) da conveniência de não ser tão possessivo, e deixar fluir, etc., etc. Observamos também esta rota em pessoas que não sabem que estão tomando as essências, porque, por exemplo, são fornecidas fora de um processo terapêutico e escondidas, uma prática que não recomendo.

Os Florais de Bach parecem agir indistintamente nas duas formas mencionadas, e podemos até verificar que uma não exclui a outra.

Eu acho que quando você muda seu comportamento mostrando-se mais simpático, já houve um processo interno significativo. E isso não precisa estar sempre consciente, pois não somos apenas a mente. Existem outros níveis de consciência que transcendem a mente consciente. Embora..quando se escolhe,  parece ser  mais conveniente para o cliente ser tão consciente e participativo quanto possível. E é aí que entra em jogo o papel do terapeuta.

O terapeuta floral sempre deve acompanhar. Na primeira hipótese de desempenho das essências, que descreveu como de “fora para dentro”, ajudando o cliente a tomar consciência de suas mudanças e quão conveniente é continuar a adquirir autoconsciência e crescer como pessoa. No segundo, de “dentro para fora”, ajudando na valorização das mudanças preciosas que ocorrerem, assim, tornando-as durardouras, auxiliando na vontade de mudar e progredir nas virtudes da alma. Precisamente, esse é o caminho evolutivo apontado por Bach.

Desta forma, quem toma as Flores de Bach sempre, de uma forma ou de outra, acaba ganhando.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s