Boas imagens

A forma como observamos a realidade é bem parecida com a Fotografia.

O processo fotográfico consiste na sensibilização através da luz em um filme recoberto com substâncias químicas sensíveis. No processo digital, a sensibilização acontece num sensor eletrônico.

Para isto o filme/sensor se encontra numa câmara escura, onde, através de uma abertura, permite-se a passagem de luz.

Alguns ajustes no processo permitem a maneira que a informação será registrada. Controla-se basicamente o tempo de exposição e o tamanho da abertura pela qual a luz entrará. Um dispositivo chamado obturador, tal como uma porta é responsável pelo tempo que a luz sensibilizará o filme/sensor. Mais tempo significa mais luz. O tamanho da abertura é feito por um outro dispositivo, chamado diafragma, que também permite maior ou menor entrada de luz, mas não controla o tempo de exposição.

A fotografia também apresenta uma característica chamada Profundidade de Campo, que é a zona de nitidez da imagem. Todos já vimos fotos onde a partir de certa distância, o foco se perde.

Basicamente, sem querer entrar nos detalhes matemáticos, podemos dizer que quanto maior a abertura do diafragma, menor a profundidade. Assim, se estamos fotografando uma flor e queremos que apenas ela seja focalizada usamos uma grande abertura. O oposto também é válido. Uma pequena abertura nos dá uma profundidade de campo maior, quer dizer que a partir de certa distância tudo estará focalizado.

a_camera_fotografica-1024x606

Admitindo que a quantidade de luz presente no ambiente seja igual em ambos os casos, podemos concluir que com uma abertura maior teremos que usar uma velocidade maior do obturador, e com uma abertura menor, podemos usar uma velocidade menor do obturador. Para que tenhamos a mesma luz sobre o filme/sensor.  Mais abertura significa menos tempo e menos abertura mais tempo.

Nossa mente também funciona de forma parecida quando observamos uma determinada situação. Somos capazes de criar nossa própria realidade, de acordo com a maneira que “ajustamos nossas lentes”. Ajustes diferentes produzem imagens diferentes…na mesma situação.

Que tipo de imagem você está registrando (quer registrar)? Ela é resultado do ajuste do diafragma/obturador.  A situação é mesma, mas a maneira que registramos pode ser totalmente diversa. Você quer ter um olhar mais abrangente, absorver o maior número de detalhes possíveis? Use uma pequena abertura. E um obturador lento…mais tempo…

Você é do tipo detalhista, seu foco é restrito? Irá precisar de uma abertura maior, mas um obturador rápido, menos tempo…

Qual é a maneira correta? A que te faz sentir melhor. Muitas vezes precisamos restringir, outras vezes precisamos observar a situação de uma forma mais abrangente. Os enganos acontecem quando não ajustamos corretamente e usamos a relação abertura/exposição de maneira equivocada. A foto sai escura, ou queima…

É aí que entram os Florais. Eles nos ajudam no ajuste das lentes pelas quais iremos observar o Universo. Abrangente? Restrito? Faça sua escolha. E boas imagens!!

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s