A harmonia das flores

Dr. José Maria Campos (Clemente), no livro “Os sete remédios solares – a ação curativa das flores e dos metais”

As flores representam a etapa de máxima sutilização da matéria no reino vegetal. Para elas convergem substâncias e forças terrestres que ascendem do solo e se elevam de patamar em patamar dentro do campo vital da planta. Por outro lado, as flores são o gesto sublime de entrega do vegetal à luz. Nessa doação ele incorpora os elementos imponderáveis que lhe chegam de todas as direções do cosmos e os expressa como cores, harmonia de formas, aromas e vibrações.

Por meio das folhas, as plantas se abrem diretamente às influências da luz do Sol. Assimilam sua energia radiante, materializam-na pela fotossíntese sob a forma de substâncias, e assim a introduzem na vida vegetal. Por meio das flores, porém, as plantas se doam por completo à luz e trazem à manifestação material o resultado dessa comunhão. Assim, na formação floral as plantas se elevam acima da vida vegetativa e se relacionam mais intensamente com a vida solar e cósmica, seus ritmos e movimentos.

correntes de forças
As correntes de forças, cósmicas e telúricas, presentes na vida do vegetal

Nas flores se materializa em alto grau o padrão de harmonia da planta. Esse concentrado de energias, impregnado de impulsos de orem e pureza, atua no organismo e no psiquismo humano, favorecendo seu reequilíbrio.

A irradiação das flores toca o ser humano sobretudo no plano etérico e no astral-emocional. Suas cores, a simetria de suas formas, seus perfumes e emanações sutis elevam também o campo etérico do ambiente.

Mas há ainda aspectos mais profundos das flores, aspectos que atingem até a periferia do corpo causal[1] do ser humano, influenciando suas disposições anímicas. É dessa influência que derivam as demais, acima citadas.

 

[1] Veículo de expressão da alma em níveis supramentais. Trata-se de uma estrutura energética que sintetiza as experiências do ser em suas passagens pela Terra